A Despromoção da Importância da Avaliação no Sector Imobiliário


Por João Garcia Barreto

O sector imobiliário nacional atravessa, indubitavelmente, uma fase de declínio, não apresentando grandes resultados positivos, muito por consequência da crise do subprime. Desta forma, a conjuntura económica actual caracteriza-se, nomeadamente, por fracos indicadores económicos (desemprego, inflação, PIB…) que se traduzem, em termos gerais, numa contracção na concessão de empréstimos por parte dos bancos portugueses, denotando-se, assim, uma ausência de investimento imobiliário em todos os segmentos.

Face ao exposto, o mercado de imóveis de uso habitacional (o mais relevante) distingue-se, nas zonas urbanas e destinadas às classes baixa e média, pela relação entre a forte oferta e a fraca procura, apresentando um ténue dinamismo. No entanto, o potencial interessado na aquisição e/ou alienação de imóveis no referido segmento não depreendeu, ainda, que o mercado imobiliário não apresenta as mesmas características que tinha em tempos áureos já passados…

O potencial vendedor esquece-se que o valor do imóvel que pretende alienar não contempla o valor do crédito multi-opções (móveis, televisor, automóvel…) que outrora contraiu ou outra qualquer margem desusada. Por outra via, o potencial comprador diz, na gíria, que “a culpa é do banco” e esquece-se, face à necessidade de financiamento para viabilizar a aquisição mencionada, que as instituições financeiras apresentam, actualmente, dificuldades de liquidez, não sendo capaz de oferecer condições interessantes nos empréstimos. Adicionalmente, pretendem ainda garantias por parte das pessoas que procuram crédito para aquisição de habitação.

Relativamente a outros segmentos de mercado (industrial e comercial), a situação actual é praticamente semelhante, desdenhando-se, por outras razões, a questão sobre o crédito multi-opções por parte do vendedor.

O clima exposto gera, na prática da avaliação imobiliária, uma forte desconfiança por parte dos agentes imobiliários (por falta de formação académica) e dos principais interessados na aquisição e/ou alienação de imóveis, os quais apresentam inúmeras reclamações/reapreciações junto das instituições financeiras. A situação referida é, inexoravelmente, algo recorrente na prática da avaliação imobiliária. Actualmente, qualquer perito avaliador encontra-se, infelizmente, sujeito a actos ofensivos e agressivos por parte dos agentes imobiliários e, por vezes, dos próprios potenciais interessados na aquisição/alienação, os quais não conseguem contornar a conjuntura económica actual, a consequente desaceleração do mercado onde operam e, sobretudo, as condições de empréstimo (LTV) oferecidas pelas inúmeras entidades financeiras.

Infelizmente, a prática do avaliador é, em todas as situações, considerada como “bestial” no acto da visita, sendo, após resultado da avaliação, desvalorizada e colocada em dúvida por parte dos agentes imobiliários e dos potenciais interessados na aquisição/alienação. As referidas situações deturpam, assim, a realidade do mercado imobiliário, despromovendo e inutilizando a competência dos avaliadores imobiliários que não possuem qualquer objectivo em prejudicar o negócio dos intervenientes mencionados.


João Garcia Barreto é licenciado em Finanças pelo ISCTE/IUL e detém um Mestrado Executivo em Gestão e Finanças Imobiliárias pelo ISCTE Business School. Actualmente exerce funções de Perito Avaliador e consultor de investimentos imobiliários e colaborador para a área de Internacionalização na LUSO-ROUX CONSULTORES, S.A.
17 comentários

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios assinalados com *

17 Comentários

  • Avatar
    Gonçalo Nascimento Rodrigues
    21 de Março, 2011, 12:37

    João,

    Apetece dizer que os avaliadores deitaram-se na cama que fizeram! Durante anos, andaram a "inflaccionar" avaliações de CH e agora puxam-nas para baixo, pelo mesmíssimo motivo.

    Queriam o quê? O mercado que temos é e foi feito pelos avaliadores, pelos bancos e pelos fundos.

    É tempo de se criar uma verdadeira e real classe de avaliadores imobiliários, isentos e independentes, com forte fiscalização sobre a sua actividade e como requisitos elevados em termos de formação. Só assim esta classe voltará a ganhar (algum) respeito.

    Abraço,

    Gonçalo

    RESPONDER
  • Avatar
    Liliana
    21 de Março, 2011, 16:43

    Boa tarde,

    Infelizmente, concordo inteiramente consigo, Gonçalo. Durante muitos anos, os avaliadores tiveram um comportamento muito pouco ético. Hoje, o mercado está mais exigente, e é bom que assim se mantenha!!

    Cumprimentos,
    Liliana Montenegro

    RESPONDER
  • Avatar
    José Covas
    22 de Março, 2011, 12:39

    Meus Caros,

    Concordo, todavia essa classe de avaliadores que mencionas Gonçalo já existe como sabes. Infelizmente o mercado continua a não os valorizar e a entender as avaliações como uma obrigação e não com a importância que devem ter. Só nessa altura as coisas poderão mudar. O trabalho de rigor e qualidade existe!

    RESPONDER
  • Avatar
    Gonçalo Nascimento Rodrigues
    22 de Março, 2011, 12:41

    Zé,

    Não tenho dúvidas nenhumas que existem (muito) bons avaliadores! A questão é que a maioria não o são e foi o mercado quem os fez assim, a pagar honorários baixos por muitos trabalhos que não são (ou não deviam ser) simples, a esmagar margens no CH e tudo o mais…

    E como estes são a maioria, o mercado tende a olhar para todos da mesma forma.

    Mas acredito que a minoria, neste caso, irá prevalecer!

    RESPONDER
  • Avatar
    sonia
    22 de Março, 2011, 13:40

    Estou inteiramente de acordo consigo Gonçalo.
    Foi a classe da velha guarda de avaliadores e gestores de conta que criaram esta situação.
    Mas alerto que ainda existem avaliadores e alguns promotores muito optimistas que ainda não tiveram a noção da realidade do mercado imobiliário e o belo comercial que só pensa na sua margem de promoção.
    Na minha humilde opinião existe sim falta de know de muitos avaliadores pois qualquer um pode ser desde que seja Engº ou Arqº . e muitos nem formação nem informação têm sobre o LTV dos banco do Acordo Basileia entre outros factores A culpa não é toda dos avaliadores mas sim da rede montada à volta , os bancos por exemplo quanto é que cobram ao cliente pela avaliação €€€€€€ quanto pagam à empresa avaliadora €€€ e a empresa quanto paga ao avaliador €, saliento que o grau de exigência dos relatório actualmente é muito alta face ao que se paga. Pois esta é uma atitude que desmotiva a classe de avaliadores mas atenção existem ainda muitos que primam pelo seu bom nome na praça e fazem um óptimo trabalho.
    Atitudes geram atitudes.

    RESPONDER

So, what's new?

08/04/2021
Loures com estratégia de habitação com investimento de 157 milhões de euros

A Câmara Municipal de Loures aprovou a Estratégia Local de Habitação para responder a mais de 3800 casos de carências habitacionais.

Ler mais »

08/04/2021
Oferta de arrendamento duplicou no primeiro trimestre

O valor das rendas diminuiu 9,4% em Portugal no primeiro trimestre de 2021, com o preço médio de arrendamento a situar-se nos 842 euros.

Ler mais »

08/04/2021
Espanha: Vendas de casas caem 3,7% em fevereiro

Ilhas Baleares, as Ilhas Canárias e a Comunidade Valenciana, comunidades autónomas mais turísticas, são as que registam os maiores declínios na atividade imobiliária espanhola.

Ler mais »

07/04/2021
Socicorreia investe mais 100 milhões e avança com “Dubai na Madeira”

O grupo imobiliário de Custódio Correia tem em fase de arranque mais uma série de projetos das marcas Século XXI e Varino, esta em parceria com a AFA, nas cidades de Lisboa, Funchal e Ponta Delgada.

Ler mais »

07/04/2021
Grupo Pestana oferece 45 milhões ao BCP para transformar Hotel na Madeira em habitação

O Hotel Madeira Palácio que está atualmente nas mãos do BCP está parado há 10 anos.

Ler mais »

07/04/2021
Lisboa aprova construção de 700 habitações com renda acessível

Foram aprovados três novos projetos para a construção de cerca de 1.000 habitações, 700 das quais integradas no Programa Renda Acessível da autarquia.

Ler mais »

06/04/2021
Valorização e dinamização económica do Barreiro cativa projetos imobiliários

O mercado residencial da margem sul do Tejo passou a ser uma alternativa muito apelativa para as famílias jovens que procuram casa para viver, nomeadamente os concelhos do Barreiro e Moita.

Ler mais »

06/04/2021
Os seis perfis de compradores de casas novas que surgiram com a pandemia

Em causa está um estudo realizado pela imobiliária espanhola Solvia, que conclui que a procura por casas novas é e será uma tendência.

Ler mais »

06/04/2021
Residência de estudantes será primeiro empreendimento de mega projeto em Almada

As obras da residência de estudantes com 333 estúdios devem arrancar já este verão e estar concluídas na segunda metade de 2023. Será o primeiro empreendimento do mega-projeto de 800 milhões Innovation District.

Ler mais »

Etiquetas

aguirre newman alavancagem alemanha alojamento local ana rita pereira angola arrendamento arrendamento com opção de compra aurare avaliação bancária avaliação de hoteis avaliações imobiliárias b. prime bad bank balcão nacional de arrendamento banco de portugal barómetro benefícios fiscais bernardo d'eça leal blogs bogotá bolha imobiliária bond yields brasil bruno lobo bruno silva built-to-rent. buy-to-let camara municipal de lisboa carlos gonçalves carlos leite de sousa casas Case Shiller CBD cbre century 21 china cmbs commercial real estate comprar casa comércio confidencial imobiliário construção consultoria consultoria imobiliária core coronavirus covid19 coworking credit default swaps crédito habitação crédito imobiliário crédito mal-parado cushman wakefield dação em pagamento distressed assets double dip dívida dívida pública ecs capital entrevistas equity escritórios espanha Estado estónia EUA euribor eurostat eventos facebook fernando vasco costa fiiah filipe almeida e silva financiamento finanças imobiliárias fiscalidade FMI francisco espregueira francisco silva carvalho francisco virgolino frança fundbox fundos de investimento fundos de reabilitação urbana fundos imobiliários fundos pensões global property guide golden visa Gonçalo Nascimento Rodrigues grécia habitação hipoteca holanda homeownership hotelaria hotéis imi imobiliário imobiliário do estado imobiliário portugal imobiliário turístico imposto de selo impostos imt imóveis banca industrial inprop fund inteligência artificial internet investimento investimento imobiliário ipd irlanda irs islândia itália japão jones lang lasalle jorge próspero dos santos josé carlos marques da silva joão abelha joão fonseca joão madeira de andrade joão nunes knight frank lei arrendamento lisboa logística low-cost ltv luanda luís francisco marketing massimo forte mediação imobiliária millennials NAMA nar NCREIF non-performing loans notícias nrau nuno ribeiro obama obrigações do tesouro oportunístico ordem dos avaliadores orey activos orey financial out of the box património pedro pereira nunes portais de imobiliários porto Portugal preços casas price earnings prime watch prime yield propriedade agricola propriedade rustica proptech pstm advogados reabilitação urbana real estate reit remax rendas residências 3ª idade residências estudantes retail parks reverse mortgage revista imobiliária ricardo da palma borges ricardo guimarães ricardo pereira rics risco Rui Alpalhão rui bexiga vale rui soares franco sale and leaseback sareb segunda habitação Sem categoria sigi spread taxa de actualização taxa interna de rentabilidade taxas de juro tendências turismo turismo residencial uk vpt wacc yield Ásia índices imobiliários

Out of the Box Social Media

Subscreva a nossa newsletter



    Recomendado

    Barómetro