Entrega da casa paga dívida?

Por estes últimos dias, temos sido bombardeados com a notícia da decisão de um Tribunal, em Portalegre, que deliberou que a entrega da casa ao Banco é suficiente para pagar a dívida. Vamos à história, resumida, do que eu entendi:

Um casal comprou uma casa por € 117.500,00, tendo para tal contraído um crédito com mútuo de hipoteca pelo mesmo valor. A esse valor, acresceu ainda o montante de € 3.550,00, sobre o qual foi constituída hipoteca sobre o bem imóvel. Passados uns tempos, o casal divorciou-se e pretendeu resolver a questão da dívida, dívida essa que totalizava já € 129.521,52. A entidade credora, não havendo mais bens no património do casal, deliberou a venda do imóvel, tendo estabelecido como método de venda a recepção de propostas em carta fechada, com preço mínimo de 70% do valor inicial da avaliação do imóvel que foi de € 117.500,00, igual ao valor da escritura. A única proposta recebida foi de € 82.250,00 e da parte da própria entidade credora. Esta exigiu, então, o valor adicional em dívida de € 47.271,52 (na realidade foi um pouco menos dado que o valor que a entidade credora alegou como devedor era ligeiramente inferior). O Tribunal deliberou que a dívida ficaria saldada com a entrega da casa.

Esta é a história que nos contam que não é inteiramente verdade. É o problema de hoje em dia, de se querer vender ilusões às pessoas com grandes títulos nos jornais. Mas é preciso que as pessoas não se deixem enganar. Vamos por partes:

A dívida não ficou saldada com a entrega da casa. Apesar dos jornais e das televisões o dizerem repetidamente, isto não é verdade e consta da decisão do Tribunal;

– Aquilo que o Tribunal deliberou foi que a entidade credora como que “agiu em causa própria” ao adquirir a casa pelo valor mínimo do procedimento de venda. Tendo considerado este acto como injusto ou mesmo abusivo, o Tribunal deliberou que o montante de € 117.500,00, correspondente à avaliação do imóvel, estaria saldado;

Não está saldada a dívida remanascente de aproximadamente € 12.500,00. Este valor, os anteriores mutuários terão de pagar ao Banco, disso não haja dúvida. Aquilo que o Tribunal julgou como improcedente foi a pretensão do Banco em ver pagos mais de € 47 mil, mas há um remanescente de € 12.500 que têm de ser liquidados.

Pessoalmente, concordo esta decisão específica do Tribunal, discordo em absoluto com todo o procedimento. Por princípio, acho que não deve ser possível entregar uma casa ao Banco e ver a dívida liquidada. Neste caso específico, o Tribunal também não concordou. Julgo que seria perigoso e injusto. Quem correu o risco de investimento foi o mutuário, não o Banco. Logo, quem deve correr o risco de valorização ou desvalorização do activo, deve ser o mutuário. Se entretanto a casa se desvalorizou mais do que o valor entretanto amortizado de dívida, quem deve perder é o mutuário. Há uma clara perda de equity mas somente do equity, não da dívida.

O que não posso concordar neste caso específico é com o procedimento da venda, e por isso acho que o Tribunal decidiu bem. A entidade credora é parte interessada no processo, logo não deveria sequer poder fazer qualquer oferta sobre o imóvel. Vejam bem: o Banco, neste caso, reclama a dívida, estabelece o procedimento de venda, e faz a oferta mínima. “Controlando” o processo, é natural que não apareçam mais interessados, sendo que a probabilidade de comprar a casa pelo preço mínimo é enorme. Arriscaria a dizer que há aqui um enriquecimento ilícito do Banco!

Afinal, o que está errado no processo? Fundamentalmente, o valor do imóvel. O montante de € 117.500,00, pelo que pude compreender, é o valor da escritura e da avaliação à data da escritura. Não é o valor actual e também não é um preço de mercado. Julgo que o mais correcto teria sido as partes – Banco e mutuário – pedirem avaliações externas a peritos avaliadores independentes para se determinar o potencial valor de mercado do imóvel e o valor de liquidação forçada. Em alternativa, que fosse o Tribunal a pedi-lo. Assim, teríamos o valor mínimo de licitação ou de oferta (correspondente ao valor de liquidação forçada) e o potencial valor de mercado da casa.

Adicionalmente, o processo de venda. Seria mais justo se a casa fosse colocada num leilão onde há mais procura e maior probabilidade de aparecem mais ofertas, para além da mínima. Aí, sim, se poderá ver qual o preço que o mercado está disposto a pagar.

No final, caso não hajam ofertas para o imóvel, deve o Banco ficar com ele pelo valor da avaliação actual, não histórica. Assim, sim, seria mais justo. No fundo, o Tribunal acabou por deliberar isso mesmo mas “obrigou” o Banco a encaixar a desvalorização do activo dado que a avaliação não é actual e com isso não concordo.

Abriu-se um precedente? Julgo que sim. E perigoso porque pode permitir a muitos mutuários verem-se livres de dívidas actualmente superiores ao valor de mercado do imóvel. A culpa disso é dos Bancos? É claro que não!

Bons negócios (imobiliários)!

Nota: Importa apenas focar um aspecto final. A casa, quando comprada e financiada, foi com um LTV superior a 100%. Imprudência do Banco, total irresponsabilidade dos mutuários. Andamos anos a financiar pessoas recolhendo imóveis como garantias. Esquecemos que as pessoas podem deixar de pagar e os imóveis deixar de valer. Todos somos culpados, não apenas uns. E não apenas os Bancos.
12 comentários

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios assinalados com *

12 Comentários

  • Avatar
    Goncalo Nascimento Rodrigues
    30 de Abril, 2012, 14:36

    Votem no nosso barómetro, aqui no blog ou na nossa página do facebook. Vejamos o que os nossos leitores pensam sobre esta matéria.

    RESPONDER
  • Avatar
    Anónimo
    1 de Maio, 2012, 10:51

    Na minha opinião os bancos são protegidos pela lei quando quem precisa de ser protegido são os mais fracos, ou seja, os clientes. Se um banco aceita um imóvel como garantia para um determinado empréstimo então é porque entende que em caso de incumprimento, esse imóvel salda a divída. É claro que o imóvel pode desvalorizar mas é aí que entra o risco que o banco
    tem que assumir e que já está implicito na taxa de juro cobrada. Em condições normais qualquer negócio tem risco! Caso contrário o risco fica todo do lado do cliente que paga parte das prestações, fica sem a casa e ainda fica a dever dinheiro ao banco!
    Quando os bancos calculam a taxa de juro com base na LTV não estão já a entrar com o risco da operação? Então mas para que é que serve isso se quando as coisas correm mal todos têm que entregar os imóveis e ainda pagar o remanescente?

    Nelson Ferreira

    RESPONDER
  • Avatar
    Goncalo Nascimento Rodrigues
    1 de Maio, 2012, 11:02

    Caro Nelson,

    O banco cobra um spread por emprestar o dinheiro, que não é grátis! Se o dinheiro fosse grátis e o risco todo do banco, nesse caso seriam desnecessários os empréstimos. Bastaria que os bancos comprassem as casas e as arrendassem, correndo assim, eles, o risco.

    Este é um ponto que realço desde sempre. Quem compra uma casa, com ou sem financiamento, está a investir, não a consumir. Sendo investidor, corre risco, neste caso, risco de valor residual. Risco do activo se valorizar ou desvalorizar.

    Pergunto: se a casa valorizar, pode o banco vendê-la e ficar com a diferença? Na sua perspectiva, sim.

    Se, alias, fosse esse o entendimento generalizado, então em todos os países ditos desenvolvidos, tal aconteceria. Mesmo em Espanha, onde já existe legislação em vigor, tal só é possível em determinados casos, não é, de todo, generalizado.

    O que eu acho piada é que quando tudo corre bem, os bancos têm dinheiro e as pessoas consomem a crédito desenfreadamente. Quando tudo começa a correr mal, os bancos é que têm a culpa. Quem pediu emprestado, gastou e não pode pagar, é um coitado. E no meio disto tudo, quem poupou e foi cuidadoso, é normalmente visto como ladrão por ter mais que os outros!

    Santa paciência…

    RESPONDER
  • Avatar
    Dionysos
    2 de Maio, 2012, 14:13

    Bom comentário e boa resposta. Gostei bastante do resumo da notícia, até porque contém informação relevante que foi totalmente desprezada pelos media. Lamentável, esse facto.

    Quanto à questão central, quem é o detentor do risco e da responsabilidade sobre créditos imobiliários e potenciais desvalorizações, aí devo dizer o óbvio: a resposta é, sempre, casuística. Varia de caso para caso. E porquê? Nem todos os bancos cometeram o erro de conceder crédito a 100 por cento do valor muitas vezes inflacionado dos imóveis, mas aqueles que cometeram esse erro devem sofrer as consequências, solidariamente com os particulares que embarcaram no canto da sereia do crédito fácil.

    O argumento apresentado na resposta ao anterior comentário "se a casa valorizar, pode o banco vendê-la e ficar com a diferença?" não é aplicável porque o proprietário do imóvel não é o banco, mas sim quem contraiu o empréstimo.

    Gostaria de uma resposta a uma questão mais singela: quando uma empresa colapsa e entra em processo de falência, os credores podem contar apenas e só com o património da empresa. Quando uma família entra em falência, o património não basta, mantendo-se a dívida sobre os rendimentos futuros até pagamento integral da dívida. A justiça não é tratar de modo diferente o que é igual. Nem sequer afirmo que a situação das empresas deva ser aplicado à situação das famílias. O que gostaria era de ver os accionistas de empresas que praticam falências, verdadeiras e/ou fraudulentas, com o peso das dívidas até ao fim dos dias. Famílias falidas não passeiam ferraris na marginal de Oeiras-Cascais, mas empresários alegadamente falidos fazem-no com impunidade, mesmo nas barbas dos credores, por vezes também eles falidos por falta dos respectivos pagamentos.

    Em suma, assuntos complexos… Os tribunais têm muito a fazer.

    Cumprimentos

    RESPONDER
  • Avatar
    Goncalo Nascimento Rodrigues
    2 de Maio, 2012, 14:19

    Caro Dionysos,

    Obrigado pelo comentário.

    Não sou jurista nem fiscalista, portanto não conseguirei responder com exactidão à pergunta feita.

    Naturalmente, é muito diferente um caso de uma família/particular, de uma empresa. Quanto a esta, dependerá desde logo do tipo de empresa (limitada, SA?), da responsabilidade dos sócios/accionistas e do tipo de garantias prestadas (podendo ser só garantias hipotecárias, mas também eventualmente penhores de quotas, acções, até mesmo avais pessoais, etc.).

    Quanto ao resto, se como diz "o proprietário do imóvel não é o banco, mas sim quem contraiu o empréstimo", então deve ser ele a correr o risco. Colocar excepções a avaliações eventualmente mal feitas ou LTV's elevados, é "abrir uma caixa de pandora"! Que regras colocar? Que excepções?

    Complicado…

    RESPONDER

So, what's new?

17/01/2019
Norfin investe 200 milhões em projeto imobiliário junto ao estádio do Sporting

Nos terrenos do antigo estádio de Alvalade vão ser construídos quatro novos edifícios de escritórios classe-A, três de habitação, mais de 200 apartamentos e uma área comercial. As obras arrancam no final do ano.

Ler mais »

16/01/2019
Preço das casas em Portugal foi dos que mais subiu na UE

Preços da habitação cresceram 10,3% no terceiro trimestre de 2019, face aos mesmos três meses de 2018, o que coloca Portugal no topo da lista dos países da União Europeia onde o preço das casas mais subiu.

Ler mais »

16/01/2019
Rendas subiram mais que preços das casas na UE desde 2007. Em Portugal foi o contrário

Desde a crise financeira, o preço das casas aumentou menos do que as rendas na União Europeia, segundo o Eurostat. Já em Portugal aconteceu o oposto.

Ler mais »

16/01/2019
Vistos ‘gold’: Investimento captado em 2019 cai 11,4% para 742 milhões

O investimento captado através do instrumento dos vistos ‘gold’ caiu 11,4% em 2019, face ao ano anterior, para 742 milhões de euros, de acordo com dados do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Ler mais »

15/01/2019
Lisboa lança novo programa Renda Segura para proprietários

A Câmara Municipal de Lisboa prepara-se para lançar um novo instrumento de habitação acessível, desta feita o programa Renda Segura, destinado a proprietários que queiram colocar os seus imóveis no arrendamento de longa duração.

Ler mais »

15/01/2019
Proptech Tiko estreia-se em Portugal com a compra de ativo em Lisboa

A proptech imobiliária espanhola Tiko acaba de chegar ao mercado português, com a concretização da compra do seu primeiro ativo no final de 2019, localizado na região de Lisboa.

Ler mais »

14/01/2019
Arrendamento Acessível celebra 117 contratos

Desde 1 de julho de 2019, o Programa de Arrendamento Acessível do Governo regista 117 contratos celebrados.

Ler mais »

14/01/2019
Não é compra, não é arrendamento. Como funciona a habitação “vitalícia”

Já está em vigor a lei que abre a porta aos contratos na habitação que só caducam por renúncia ou com a morte do morador. Mas o novo regime é espinhoso e levanta muitas reservas, incluindo ao Presidente da República.

Ler mais »

14/01/2019
TIM VIEIRA LANÇA FUNDO DE 500 MILHÕES DE EUROS PARA INVESTIR EM HOTELARIA

O Iberia Hospitality Property Fund é composto por empresários sul-africanos, portugueses e espanhóis e tem como objetivo comprar hotéis em operação em Portugal e entrar na bolsa nacional.

Ler mais »

14/01/2019
Rendas em Portugal subiram 3,2% em 2019. Lisboa com maior variação

As rendas em Portugal subiram 3,2% no ano passado, acelerando face ao crescimento de 1,9% registado em 2018.

Ler mais »

13/01/2019
Alternativos vão continuar a atrair investimento em 2020

Em contexto de fim de ciclo, a redução das oportunidades, a subida das rendas e a compressão das yields na Europa estão a levar os investidores a procurar ativos geradores de rendimento alternativos

Ler mais »

13/01/2019
HIP COMPRA HOTEL THE LAKE SPA RESORT À OXY CAPITAL

A HIP – Hotel Investment Partners adquiriu o Hotel The Lake Spa Resort à Oxy Capital, unidade de cinco estrelas em Vilamoura, que vai ser remodelada e que era gerida pelo operador Blue & Green.

Ler mais »

13/01/2019
Metro quadrado para efeitos de IMI mantém-se nos 615 euros em 2020

Após a subida de 2019, o valor base que é usado para fixar o património tributário dos imóveis para efeitos de IMI vai ficar inalterado em 2020, de acordo com a portaria publicada em Diário da República.

Ler mais »

13/01/2019
Há mais de três mil imóveis devolutos em Lisboa

Segundo números da autarquia datados de outubro do ano passado, existiam então 3246 imóveis devolutos em Lisboa

Ler mais »

13/01/2019
Benefícios fiscais para reformados estrangeiros com mudanças à vista

Objetivo das Finanças é manter isenção para quem já tem, mas reduzir para novos pedidos dentro do regime de residentes não habituais.

Ler mais »

10/01/2019
Investimento imobiliário em Portugal atingiu 3,5 mil milhões de euros em 2019

Consultora imobiliária destaca a transação de diversos portfólios e carteiras de fundos de investimento imobiliário, bem como um forte investimento relacionado com o setor da hotelaria.

Ler mais »

09/01/2019
Portugal ganhou 60 novos hotéis em 2019

Abriram em 2019 60 novas unidades hoteleiras em todo o país, num total de 3.700 novos quartos. O pipeline até 2022 inclui 180 novos projetos.

Ler mais »

09/01/2019
Programa português de reabilitação urbana distinguido na Europa

Este programa já atingiu um investimento de 538 milhões de euros em 176 projetos de reabilitação integral de edifícios.

Ler mais »

09/01/2019
3.600 casas novas com rendas acessíveis em Almada: Câmara junta-se a IHRU para pedir financiamento

Para construir habitações que visam alojar 9.000 pessoas, as duas entidades candidataram-se a seis milhões de euros de fundos comunitários.

Ler mais »

08/01/2019
Custos da construção da habitação nova aumentam 2,4% em novembro

Custo da mão-de-obra subiu 5,3% em novembro face ao mesmo mês do ano passado, revela hoje o INE.

Ler mais »

08/01/2019
Habitação. Se no Luxemburgo a situação é assustadora, em Lisboa é de loucos

A especulação imobiliária atinge de forma muito particular a capital do Luxemburgo e Lisboa, obrigando os residentes a malabarismos para pagar a casa.

Ler mais »

08/01/2019
Preço médio das casas vendidas passou os 2.000 euros por m2 em 2019

Os valores praticados nas vendas de habitação aumentou 13,3% no ano passado, de acordo com os números recolhidos pelo site Idealista. Pela primeira vez foram ultrapassados os 2.000 euros por metro quadrado.

Ler mais »

07/01/2019
Residências de estudantes: Porto na mira dos investidores

O mercado de arredamento de quartos e casas para estudantes está ao rubro em Portugal, encontrando-se cada vez maos na mira dos investidores.

Ler mais »

07/01/2019
Habitação na periferia de Lisboa com aumentos de 25%

Preços atingiram máximos no terceiro trimestre de 2019. Montijo, Barreiro, Alcochete e Mafra são os concelhos com maiores aumentos

Ler mais »

04/01/2019
Mais 20 mil novas casas num só ano

Licenciada a construção ou reabilitação de 13 961 edifícios.

Ler mais »

04/01/2019
Imobiliário movimentou 3,8 milhões de euros por hora em 2019

A compra de três hotéis Tivoli por €313 milhões foi a maior operação de imobiliário comercial em 2019.

Ler mais »

04/01/2019
Marcelo promulga contratos vitalícios na habitação mas admite dúvidas

A nova lei que cria o Direito Real de Habitação Duradoura foi promulgada pelo Presidente da República, embora Marcelo Rebelo de Sousa admita ter “dúvidas sobre o sucesso” da medida e os “efeitos colaterais da definição de ‘morador'”.

Ler mais »

03/01/2019
Em três anos deverão abrir mais 180 hotéis em Portugal

Um total de 15 mil novos quartos, aponta estudo da consultora imobiliária Cushman & Wakefield.

Ler mais »

03/01/2019
Merlin Properties to Begin Trading This Month on Portugal’s PSI-20

The Spanish socimi Merlin Properties will debut on the Portuguese Stock Exchange this month. The firm had initially planned to begin trading before the end of last year.

Ler mais »

02/01/2019
Preço das casas sobe 4,5% em 2020 e 3% em 2021, prevê Bankinter

Economistas do banco espanhol consideram que o “mercado imobiliário ainda se encontra longe de um equilíbrio entre procura e oferta”.

Ler mais »

02/01/2019
Ageas compra três edifícios de escritórios na zona de Lisboa

O grupo Ageas Portugal reforça a sua presença em Portugal com a compra de três edifícios de escritórios na zona da Grande Lisboa. O valor total do investimento não foi revelado.

Ler mais »

02/01/2019
Estado não sabe quais os imóveis que tem

Além de desconhecer a dimensão do património imobiliário que detém, dos 23.456 imóveis conhecidos “apenas 33% dos imóveis apresentam valor patrimonial”. O aviso é do Tribunal de Contas.

Ler mais »

30/12/2019
O número de estrangeiros que querem morar em Portugal subiu 26% em novembro

Estudo do Imovirtual, com base nos relatórios do SEF, confirma o Brasil como o país de proveniência da maior parte dos estrangeiros interessados em adquirir habitação no país.

Ler mais »

30/12/2019
Tudo sobre a isenção de rendimentos prediais no arrendamento acessível

Esta é a parte IV (e última) da análise da PwC sobre as medidas do OE2020 que impactam o setor imobiliário a nível fiscal.

Ler mais »

18/12/2019
O que pode o setor imobiliário esperar deste orçamento?

Como notas positivas, poucas neste sector, realçam-se as isenções de IRS e IRC dos rendimentos prediais obtidos no âmbito dos Programas Municipais de oferta para arrendamento habitacional a custos acessíveis.

Ler mais »

17/12/2019
Bruxelas volta a alertar para risco de desequilíbrios macroeconómicos em Portugal

País vai ser novamente objecto de avaliação aprofundada. Entre as fragilidades apontadas à economia portuguesa estão o peso da dívida pública e privada, a baixa produtividade e, pela primeira vez, a pressão do preço do imobiliário.

Ler mais »

17/12/2019
Catella invests €120m in European resi real estate

The Catella Wohnen Europa Fund has made six acquisitions, three in Germany, two in the Netherlands and one in Denmark, totalling approximately €120m and taking its assets under management to €925m.

Ler mais »

16/12/2019
O que afasta os investidores? “Os preços dos ativos muito inflacionados”

Presidente da Quantico-Albatross revela, em entrevista ao idealista/news, a estratégia da empresa e analisa o mercado imobiliário.

Ler mais »

16/12/2019
Construção a todo o vapor: edifícios licenciados crescem 5,9% e concluídos sobem 16,7%

O setor da construção continua a dar fortes sinais de dinamismo em Portugal, contribuindo para o reforço da oferta no mercado imobiliário.

Ler mais »

14/12/2019
Dinheiro barato pode inflacionar bolha no mercado imobiliário mais aquecido da Europa

A Alemanha está no centro de uma expansão imobiliária alimentada por dívida que, segundo analistas, parece frágil e tem potencial para afetar o património de investidores em todo o mundo.

Ler mais »

13/12/2019
Tudo sobre a tributação de imóveis: venda, arrendamento e subarrendamento

Guia explicativo para proprietários sobre como tratar os rendimentos resultantes de operações com imóveis.

Ler mais »

13/12/2019
Vanguard Properties investe também em casas para a classe média – vai construir 100 em Lisboa

Em causa está um investimento de 50 milhões de euros num empreendimento que vai nascer perto do Parque das Nações.

Ler mais »

11/12/2019
Habitação. Portugal pode vir a ter 18 mil camas em residências partilhadas

Um estudo sobre o coliving coloca o nosso país como um dos mais apetecíveis para este segmento do mercado imobiliário. Atualmente há apenas 50 camas disponíveis neste conceito

Ler mais »

11/12/2019
Habitação | Rendas das casas aumentam 3,4% em novembro

As rendas das casas por metro quadrado aumentaram 3,4% em novembro face ao mesmo mês de 2018, taxa idêntica à de outubro, destacando-se a região de Lisboa com o aumento mais intenso.

Ler mais »

11/12/2019
Investimento dos vistos “gold” cai 52% em novembro

O investimento captado através dos vistos “gold” caiu 51,9% em novembro em termos homólogos para 37 milhões de euros, de acordo com contas feitas pela Lusa com base nas estatísticas do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Ler mais »

11/12/2019
Grupo Pestana anuncia investimento de 250 milhões. Vai abrir 10 hotéis em 2020

No próximo ano, o grupo vai abrir quatro hotéis e duas pousadas em Portugal. Lá fora, vai inaugurar três Pestana CR7 e um novo hotel em Marrocos.

Ler mais »

11/12/2019
Pestana Delfim Hotel vendido por 35 milhões de euros. Grupo Pestana não quis comprar, fica como arrendatário

O Pestana Delfim Beach & Golf Hotel, localizado em Alvor, está equipado com 240 quartos duplos, 59 quartos familiares e 13 suítes. O hotel tem ainda um restaurante, dois bares, cinco salas de reuniões e um salão de eventos.

Ler mais »

10/12/2019
Sonae Sierra e Bankinter lançam sociedade cotada de €100M em Portugal

A portuguesa Sonae Sierra e o banco espanhol Bankinter têm os olhos postos em Portugal. É neste país que pretendem lançar uma nova sociedade que deverá começar a cotar em bolsa e que terá inicialmente capacidade para investir 100 milhões de euros.

Ler mais »

09/12/2019
Custos de construção da habitação aumentam em outubro

De acordo com o INE, houve uma variação de 2,3% face ao mês homólogo de 2018.

Ler mais »

04/12/2019
Moody’s prevê aumento de 4% nos preços das casas em Portugal em 2020

A agência de “rating” estima que o preço da habitação suba em quase todos os países europeus incluídos no estudo. Em Portugal, a subida será das mais pronunciadas.

Ler mais »

04/12/2019
“Ainda há espaço no mercado para mais projetos de construção nova”

O mercado imobiliário floresceu, no rescaldo da crise, depois de uma “retração devastadora que fez parar a construção de novas casas em Portugal”.

Ler mais »

03/12/2019
Habitação. Há uma freguesia em Lisboa onde 80% do investimento é estrangeiro

Capital portuguesa atrai investidores na área da reabilitação urbana. Nos primeiros seis meses do ano foram realizadas 759 operações

Ler mais »

02/12/2019
Imobiliário. Investimento estrangeiro domina no Porto

Desde o início do ano foram investidos €151 milhões no sector imobiliário da Área Metropolitana do Porto. 74% daquele valor foi assegurado por investidores investidores estrangeiros. O ramo hoteleiro foi o mais ativo

Ler mais »

02/12/2019
O gás do mercado de escritórios

O imobiliário representa a maior fatia na classe dos investimentos alternativos, mas em Portugal é também muito estreito, em que a entrada de novos investidores faz subir os preços.

Ler mais »

02/12/2019
“Não há novas casas a entrar no arrendamento tradicional”

Número de novos imóveis no alojamento local atingiu em outubro o valor mais baixo de 33 meses. Arrefecimento do turismo e grandes rentabilidades da venda ajudam a explicar quebra.

Ler mais »

01/12/2019
Lisboa em novo ciclo – o que esperar em 2020

Lisboa está a fazer o seu caminho de regeneração e de modernização e está a provar que, à semelhança de outras grandes cidades mundiais, os problemas urbanos não se resolvem com superproteção mas sim com ações e incentivos que reativem a economia e que atraem atividades e pessoas

Ler mais »

Etiquetas

aguirre newman alavancagem alemanha alojamento local angola arrendamento arrendamento com opção de compra aurare avaliação bancária avaliação de hoteis avaliações imobiliárias b. prime bad bank balcão nacional de arrendamento banco de portugal barómetro benefícios fiscais bernardo d'eça leal blogs bogotá bolha imobiliária bond yields brasil bruno lobo bruno silva built-to-rent. buy-to-let camara municipal de lisboa carlos gonçalves carlos leite de sousa casas Case Shiller CBD cbre censos 2011 century 21 china commercial real estate comprar casa comércio confidencial imobiliário construção consultoria consultoria imobiliária coworking crédito habitação crédito imobiliário crédito mal-parado cushman wakefield dação em pagamento distressed assets double dip dubai dívida dívida pública ecs capital entrevistas equity escritórios espanha Estado estónia EUA euribor eurostat eventos facebook fernando vasco costa fiiah filipe almeida e silva financiamento finanças imobiliárias fiscalidade FMI francisco espregueira francisco silva carvalho francisco virgolino frança fundbox fundos de investimento fundos de reabilitação urbana fundos imobiliários fundos pensões global property guide golden visa Gonçalo Nascimento Rodrigues grécia habitação hipoteca holanda homeownership hotelaria hotéis imi imobiliário imobiliário do estado imobiliário portugal imobiliário turístico imposto de selo impostos imt imóveis banca industrial inprop fund inteligência artificial internet investimento investimento imobiliário ipd irlanda irs islândia itália japão joana seabra gomes jones lang lasalle jorge próspero dos santos josé carlos marques da silva joão abelha joão fonseca joão madeira de andrade joão nunes knight frank lei arrendamento lisboa logística low-cost ltv luanda luís francisco marketing massimo forte mediação imobiliária mercados emergentes mezannine millennials moody's NAMA nar NCREIF notícias nrau nuno ribeiro obama obrigações do tesouro ordem dos avaliadores orey activos orey financial out of the box património pedro pereira nunes pedro valente piigs portais de imobiliários porto Portugal preços casas price earnings prime watch prime yield propriedade agricola propriedade rustica proptech prédios com rendas antigas pstm advogados reabilitação urbana real estate regulação bancária reit rendas residências 3ª idade residências estudantes retail parks reverse mortgage revista imobiliária ricardo da palma borges ricardo guimarães ricardo pereira rics risco Rui Alpalhão rui bexiga vale rui soares franco sale and leaseback sareb segunda habitação Sem categoria short-selling spread taxa interna de rentabilidade taxas de juro tendências troika turismo turismo residencial uk vpt yield Ásia índices imobiliários

Out of the Box Social Media

Subscreva a nossa newsletter



Recomendado

Barómetro