Imobiliário sustentável – ESG

Imobiliário sustentável – ESG

A alternativa à autoexclusão dos circuitos de investimento institucional e internacional

Muito se tem falado de imobiliário sustentável. Apesar da pandemia ocupar a maioria do tempo de antena de todos nós, o problema das alterações climáticas não desapareceu e permanece no topo das agendas políticas dos governos, reguladores e investidores.

Reconhecendo a importância que a comunidade internacional de investidores institucionais terá na resolução deste problema, a Comissão Europeia (CE), nos últimos anos, tem vindo a desenvolver um quadro regulamentar que coloca as preocupações relacionadas com ESG – Environmental, Social, Governance – no seio das decisões de investimento.

O movimento já tinha começado antes das iniciativas da CE com diversos investidores institucionais a adoptarem, de forma voluntária, estratégias de investimento/financiamento ESG em que dão preferência a actividades sustentáveis, às melhores empresas nos respectivos sectores e àquelas que têm políticas ESG.

Os esforços da CE visam não só estender esta mantra regulamentar a todos as empresas de investimento, sejam elas MIFID II, UCITS, AIFM (veículos alternativos), EuVECA (fundos de capital de risco) e EuSEF (fundos de capital social), ou seja, a todo o circuito de investimento institucional, como também a criação de um quadro regulamentar robusto e uniforme.

O plano da CE tem três objectivos:

  1. Reorientar os fluxos de capital para investimentos que promovam um crescimento sustentável e inclusivo;
  2. Gerir/mitigar riscos resultantes das alterações climáticas, degradação ambiental e conflitos sociais;
  3. Promover crescimento económico sustentável e de longo-prazo.

Em termos genéricos, o conceito ESG cobre:

  • E: alterações climáticas; emissão de gases de estufa; destruição de recursos naturais; poluição e desflorestação.
  • S: condições de trabalho, incluindo escravatura e uso de mão-de-obra infantil; integração e respeito pelas comunidades locais; saúde e segurança do trabalho; e relações laborais e diversidade.
  • G: políticas de remuneração; corrupção e crime financeiro; diversidade na equipa de gestão; tratamento fiscal justo.

Como se aplica o conceito ESG no imobiliário?

ESG é pois um conceito que veio para ficar e começa a estar no topo das preocupações de todas as casas de investimento, fundos de pensões e soberanos. Ora, sendo o sector imobiliário uma das actividades que tem maiores consumos de energia, o sector deverá fazer um esforço de reorganização e tornar estes desafios numa oportunidade. Se a componente “E” é de mais difícil pontuação, o sector deverá então tentar pontuar mais nas componentes “S” e “G”.

No contexto do imobiliário, ESG significa:

  • E: construção e gestão de imóveis eficientes no consumo de energia e na emissão de carbono;
  • S: considerar o impacto dos imóveis no bem-estar da sociedade e seus ocupantes, de forma integrada. Este factor merece reflexão na sequência da pandemia;
  • G: o factor da governação cobre diversos aspectos. Prende-se com a diversidade (étnica, religiosa e sexo) das equipas que ocupam, gerem e possuem os imóveis.

Estando a liquidez dos mercados (imobiliários e não só) cada vez mais condicionada pelas estratégias de investimentos dos investidores institucionais (sejam fundos de pensões, seguradoras e respectivos gestores), o conhecimento do enquadramento regulamentar destas entidades é crucial para que se continue competitivo.

Neste contexto, e embora a taxonomia existente não esteja ainda fechada, é crucial preparar/organizar as estruturas de investimento imobiliário para este novo paradigma. A UN PRI (“Principles for Responsible Investment”) tem feito um esforço para estabelecer padrões de investimento sustentável e no relatório: “An introduction to responsible investment: Real Estate” estabelece alguns padrões na área do imobiliário.

A complexidade da elaboração e aplicação destas políticas na actividade imobiliária advém do facto de abranger não só os imóveis como também as pessoas e são inúmeros os exemplos que ilustram os desafios que o sector terá pela frente.

Que desafios poderemos ter pela frente?

O próximo exemplo aborda alguns dos desafios que os proprietários de imóveis terão que resolver:

  • Quais são os negócios que devem aceitar nos seus imóveis? Devem adoptar práticas de discriminação negativa e excluir as actividades/inquilinos que não são “verdes” ou éticos; ou de discriminação positiva só aceitarem os inquilinos que desenvolvem actividades sustentáveis?
  • Como é que garantem que os inquilinos permanecem em tais actividades “verdes” durante a vigência do contrato? e, se introduzirem cláusulas que penalizam os inquilinos que não o fizerem, como é que se quantifica e implementa o controlo?
  • Quais são os recursos necessários (quantidade e qualidade) para se implementar estas políticas?
  • Quanto tempo deverá demorar o processo de due diligence e quão intrusivo terá de ser?
  • E, acima de tudo, quais são os benefícios económicos deste processo? (Nota: este nível, embora ainda não haja muita evidência empírica sobre as poupanças no longo-prazo do investimento em imóveis “verdes” e se saiba que há um investimento inicial acrescido, estudos indiciam que os imóveis “verdes” exigem custos de manutenção menores, são mais procurados e têm taxas de rotação de inquilinos menores, pelo que são mais rentáveis de gerir e apresentam taxas de apreciação mais elevadas)

Esta lista não é exaustiva e completa e haverão muitos outros desafios que a indústria terá de enfrentar na aplicação de políticas ESG, mas a mensagem é simples e directa:

QUEM NÃO IMPLEMENTAR UMA POLÍTICA ESG, NÃO CABE NO CIRCUITO DE INVESTIMENTO INSTITUCIONAL.

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios assinalados com *

So, what's new?

08/04/2021
Loures com estratégia de habitação com investimento de 157 milhões de euros

A Câmara Municipal de Loures aprovou a Estratégia Local de Habitação para responder a mais de 3800 casos de carências habitacionais.

Ler mais »

08/04/2021
Oferta de arrendamento duplicou no primeiro trimestre

O valor das rendas diminuiu 9,4% em Portugal no primeiro trimestre de 2021, com o preço médio de arrendamento a situar-se nos 842 euros.

Ler mais »

08/04/2021
Espanha: Vendas de casas caem 3,7% em fevereiro

Ilhas Baleares, as Ilhas Canárias e a Comunidade Valenciana, comunidades autónomas mais turísticas, são as que registam os maiores declínios na atividade imobiliária espanhola.

Ler mais »

07/04/2021
Socicorreia investe mais 100 milhões e avança com “Dubai na Madeira”

O grupo imobiliário de Custódio Correia tem em fase de arranque mais uma série de projetos das marcas Século XXI e Varino, esta em parceria com a AFA, nas cidades de Lisboa, Funchal e Ponta Delgada.

Ler mais »

07/04/2021
Grupo Pestana oferece 45 milhões ao BCP para transformar Hotel na Madeira em habitação

O Hotel Madeira Palácio que está atualmente nas mãos do BCP está parado há 10 anos.

Ler mais »

07/04/2021
Lisboa aprova construção de 700 habitações com renda acessível

Foram aprovados três novos projetos para a construção de cerca de 1.000 habitações, 700 das quais integradas no Programa Renda Acessível da autarquia.

Ler mais »

06/04/2021
Valorização e dinamização económica do Barreiro cativa projetos imobiliários

O mercado residencial da margem sul do Tejo passou a ser uma alternativa muito apelativa para as famílias jovens que procuram casa para viver, nomeadamente os concelhos do Barreiro e Moita.

Ler mais »

06/04/2021
Os seis perfis de compradores de casas novas que surgiram com a pandemia

Em causa está um estudo realizado pela imobiliária espanhola Solvia, que conclui que a procura por casas novas é e será uma tendência.

Ler mais »

06/04/2021
Residência de estudantes será primeiro empreendimento de mega projeto em Almada

As obras da residência de estudantes com 333 estúdios devem arrancar já este verão e estar concluídas na segunda metade de 2023. Será o primeiro empreendimento do mega-projeto de 800 milhões Innovation District.

Ler mais »

Etiquetas

aguirre newman alavancagem alemanha alojamento local ana rita pereira angola arrendamento arrendamento com opção de compra aurare avaliação bancária avaliação de hoteis avaliações imobiliárias b. prime bad bank balcão nacional de arrendamento banco de portugal barómetro benefícios fiscais bernardo d'eça leal blogs bogotá bolha imobiliária bond yields brasil bruno lobo bruno silva built-to-rent. buy-to-let camara municipal de lisboa carlos gonçalves carlos leite de sousa casas Case Shiller CBD cbre century 21 china cmbs commercial real estate comprar casa comércio confidencial imobiliário construção consultoria consultoria imobiliária core coronavirus covid19 coworking credit default swaps crédito habitação crédito imobiliário crédito mal-parado cushman wakefield dação em pagamento distressed assets double dip dívida dívida pública ecs capital entrevistas equity escritórios espanha Estado estónia EUA euribor eurostat eventos facebook fernando vasco costa fiiah filipe almeida e silva financiamento finanças imobiliárias fiscalidade FMI francisco espregueira francisco silva carvalho francisco virgolino frança fundbox fundos de investimento fundos de reabilitação urbana fundos imobiliários fundos pensões global property guide golden visa Gonçalo Nascimento Rodrigues grécia habitação hipoteca holanda homeownership hotelaria hotéis imi imobiliário imobiliário do estado imobiliário portugal imobiliário turístico imposto de selo impostos imt imóveis banca industrial inprop fund inteligência artificial internet investimento investimento imobiliário ipd irlanda irs islândia itália japão jones lang lasalle jorge próspero dos santos josé carlos marques da silva joão abelha joão fonseca joão madeira de andrade joão nunes knight frank lei arrendamento lisboa logística low-cost ltv luanda luís francisco marketing massimo forte mediação imobiliária millennials NAMA nar NCREIF non-performing loans notícias nrau nuno ribeiro obama obrigações do tesouro oportunístico ordem dos avaliadores orey activos orey financial out of the box património pedro pereira nunes portais de imobiliários porto Portugal preços casas price earnings prime watch prime yield propriedade agricola propriedade rustica proptech pstm advogados reabilitação urbana real estate reit remax rendas residências 3ª idade residências estudantes retail parks reverse mortgage revista imobiliária ricardo da palma borges ricardo guimarães ricardo pereira rics risco Rui Alpalhão rui bexiga vale rui soares franco sale and leaseback sareb segunda habitação Sem categoria sigi spread taxa de actualização taxa interna de rentabilidade taxas de juro tendências turismo turismo residencial uk vpt wacc yield Ásia índices imobiliários

Out of the Box Social Media

Subscreva a nossa newsletter



    Recomendado

    Barómetro